13/11/2023 às 08h03min - Atualizada em 13/11/2023 às 08h03min

Onda de calor sem precedentes no Brasil: o que acontece com o corpo sob temperaturas extremas

Brasil vive onda de calor com recordes previstos em várias regiões; a exposição ao calor causa sintomas graves, como exaustão pelo calor e insolação: saiba como se proteger.

Da Redação
Correio Brazilienese
Há cuidados também a tomar para proteger os pets do calor extremo - Foto: Getty Images

BRASIL - Uma massa de ar excepcionalmente quente vem fazendo com que boa parte do Brasil enfrente temperaturas mais altas que o normal.

De acordo com a empresa de meteorologia MetSul, as previsões indicam que as temperaturas previstas para esta semana e a próxima deverão superar consideravelmente as médias históricas de temperatura máxima em todas as cinco regiões do país, com um alto potencial para quebras de recordes.

A Climatempo prevê 38°C para a tarde de hoje na cidade de São Paulo. Se essa temperatura se confirmar, ou se a máxima alcançar 37,9°C, será quebrado o recorde histórico de calor na cidade, que atualmente é de 37,8°C, marca registrada em 17 de outubro de 2014.

No Rio de Janeiro, a máxima prevista nesta segunda deve entrar na casa dos 40°C. De acordo com o Alerta Rio, serviço de meteorologia da Prefeitura do Rio, a sensação térmica foi de 52,7°C em Guaratiba, na Zona Oeste da cidade, às 8h desta segunda.

No Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, estados que devem ser mais afetados, é possível que os termômetros marquem 45ºC.

Sgundo o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), há mais de 2,5 mil municípios afetados pela onda de calor. Destes, 1.413 estão sob aviso de perigo e 1.138 cidades estão na classificação de grande perigo.

De acordo com o site de meteorologia MetSul, em muitas áreas, a temperatura no decorrer da semana ficará entre 10ºC e 15ºC acima das médias históricas. "Isso vai levar às máximas fora do comum e sem precedentes em grande número de localidades do Centro do Brasil", diz o site.

De acordo com a Climatempo, esta será a quarta onda de calor que o Brasil vive no segundo semestre deste ano e poderá ser mais forte do que as onda de calor de agosto, setembro e de outubro de 2023.

Embora algumas regiões do Brasil frequentemente experimentem altas temperaturas durante o mês de novembro, e os brasileiros estejam geralmente mais adaptados ao calor em comparação com populações de países europeus que enfrentaram desafios semelhantes nos últimos meses, a situação é particularmente perigosa devido à sua extrema intensidade.

Estar exposto - especialmente nos horários de pico do calor, entre 12 e 16 horas - pode causar alterações no organismo que oferecem risco à saúde, principalmente para grupos com saúde mais frágil, incluindo idosos, pessoas com comorbidade, e crianças pequenas.

O que acontece quando o corpo é exposto a temperaturas extremas

Quando o corpo está em estresse térmico, ou seja, é exposto a temperaturas extremas, ele passa por uma série de adaptações fisiológicas para regular a temperatura interna.

No caso da exposição ao calor, primeira reação do organismo é dissipar calor através do suor e da dilatação dos vasos sanguíneos periféricos para liberar calor para o ambiente.

No entanto, em temperaturas muito altas, especialmente quando atambém está úmido, o mecanismo de resfriamento do suor pode se tornar ineficaz, levando ao superaquecimento corporal, insolação e possíveis danos aos órgãos.

"Quando estamos expostos a temperaturas mais elevadas, ocorrem adaptações no nosso corpo. A frequência cardíaca aumenta como um mecanismo compensatório, assim como a pressão arterial", explica Lucas Albanaz, clínico geral, coordenador da clínica médica do Hospital Santa Lúcia, de Brasília, e mestre em ciências médicas.

Outro risco, alerta o médico, é a desidratação devido ao aumento da sudorese.

A depender da temperatura, complementa o médico Alexander Daudt, os sinais vão de câimbra (por falta de eletrólitos, eliminados no suor), a sede intensa e fadiga.

"Outros sintomas mais graves, como tontura, náuseas ou vômitos também podem aparecer. Se a pessoa não conseguir aliviar esse calor, o quadro pode evoluir para choque térmico, com confusão mental, convulsões, e seguindo para a falência de múltiplos órgãos e óbito", explica ele, que é coordenador do Núcleo de Medicina de Estilo de Vida do Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre.

De acordo com o relatório do The Lancet, nos últimos 20 anos o aumento da mortalidade relacionado com o calor excessivo em pessoas com mais de 65 anos aumentou em 53,7%.

Apenas na Europa, em 2022, ocorreram 61.672 mortes atribuíveis ao calor entre 30 de maio e 4 de setembro de 2022, segundo uma análise recente publicada na Nature Medicine.

Os riscos são maiores para pessoas com comorbidades, pessoas idosas, especialmente aquelas com saúde fragilizada, crianças (por ainda estarem com o organismo em formação), trabalhadores que precisam se expor ao sol (como vendedores ambulantes), e aqueles que fazem uso de medicações que por algum motivo os tornem mais vulneráveis ao calor.

"É o caso de pacientes que tomam remédios diuréticos, por exemplo. Eles naturalmente já perdem mais água, e precisam de cuidado extra com hidratação", aponta Daudt.

Como se proteger do calor intenso

"A palavra de ordem é hidratação, que deve ser feita principalmente pela ingestão de líquidos. Também é indicado hidratar a pele, com cremes, as narinas, com soro fisiológico, e os olhos, com colírio. Essas partes do corpo também são afetadas", diz Albanaz.

Abaixo, destacamos dicas oferecidas pelos especialistas consultados na reportagem e divulgadas pela OMS (Organização Mundial da Saúde):

Mantenha sua casa fresca

· Tente manter a temperatura abaixo de 32°C durante o dia e 24°C à noite, especialmente para crianças, idosos e pessoas com problemas de saúde crônicos;

· Use o ar noturno para resfriar sua casa, abrindo janelas e persianas durante a noite;

· Reduza a carga de calor interna fechando janelas expostas ao sol, desligando dispositivos elétricos e pendurando cortinas.

Evite o calor

· Procure os lugares mais frescos da casa, especialmente à noite;

· Se a sua casa não estiver fresca, passe algumas horas por dia em locais com ar-condicionado, como edifícios públicos;

· Evite sair durante as horas mais quentes do dia e atividades físicas extenuantes.

Mantenha-se hidratado e fresco

· Tome banhos frios e use compressas frias para aliviar o calor;

· Vista roupas leves e largas, incluindo chapéu e óculos de sol;

· Beba água regularmente e evite álcool e cafeína, que contribuem para desidratação.

Ajude outros

· Verifique familiares, amigos e vizinhos vulneráveis;

· Certifique-se de que todos em sua família saibam o que fazer em caso de calor extremo;

· Se tiver animais domésticos, evite passeios nos horários mais quentes.

Cuidados em caso de mal-estar

· Procure ajuda se sentir tontura, fraqueza, sede intensa ou dor de cabeça;

· Beba água ou suco para se reidratar;

· Em casos graves, como delírio, convulsões e inconsciência, chame ajuda médica imediatamente;

· Leve a pessoa para um local fresco, deite-a, eleve as pernas e inicie o resfriamento externo com compressas frias;

· Não dê medicamentos sem orientação médica.

Por que as temperaturas têm atingido altas

As temperaturas do planeta vêm se elevando nas últimas décadas.

Especialistas apontam que esse fenômeno, conhecido como aquecimento global, é causado pelo acúmulo crescente de dióxido de carbono e outros gases causadores do efeito estufa na atmosfera, graças à queima de combustíveis fósseis e ao desmatamento.

Quanto maior a quantidade de dióxido de carbono e outros gases na atmosfera, pior o impacto para a vida na Terra.

Esses gases são responsáveis por absorver a radiação solar refletida pela superfície do planeta, o que faz com que o calor fique retido na atmosfera.

Assim, o mundo fica cada vez mais quente, acelerando mudanças climáticas e aumentando o risco de eventos climáticos extremos, como as ondas de calor intensas vistas agora no Hemisfério Norte, além de incêndios naturais, monções e enchentes.

Com as temperaturas aumentando em toda a Terra, há, segundo os especialistas, duas palavras de ordem: mitigação e adaptação.

A mitigação envolve medidas a longo prazo para proteger o planeta.

Na edição de 2022 da Conferência das Partes, encontro da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, a COP26, quase 200 países assinaram o compromisso de tentar garantir o cumprimento da meta de limitar o aquecimento global a 1,5°C.

O objetivo do acordo é reduzir as emissões muito rapidamente, diminuindo-as em 50% até 2030, e alcançar emissões líquidas zeradas dos gases de efeito estufa antes da metade do século, seguido pela remoção significativa de dióxido de carbono da atmosfera na segunda metade do século.

"No entanto, não estamos caminhando nessa direção, pois as emissões em 2022 foram as mais altas registradas desde o final do século 18, com a evolução industrial, principalmente crescendo muito nos últimos 50 a 60 anos em todo o mundo", avaliou o climatologista Carlos Nobre, ex-presidente do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas e doutor em meteorologia pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos Estados Unidos, em uma reportagem da BBC News Brasil publicada em julho.

"Portanto, a situação do clima é extremamente arriscada, mesmo que tenhamos sucesso total no acordo de Paris [acordo prévio que foi aperfeiçoado na COP26]."

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://efatonoticia.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Seja nosso anunciante? fale conosco pelo Whatsapp