13/02/2024 às 09h41min - Atualizada em 13/02/2024 às 09h41min

Alemanha e Dinamarca iniciam construção de fábrica de munição

Fato evidencia os esforços da Europa para aumentar sua produção de armas

Da Redação
Pleno News
Munições (imagem ilustrativa) Foto: Pixabay


MUNDO - Os líderes da Alemanha e da Dinamarca se uniram, nesta segunda-feira (12), numa cerimônia de inauguração de uma nova fábrica de munições, evidenciando os esforços da Europa para aumentar sua produção de armas, à medida que a guerra da Rússia na Ucrânia se prolonga.

Espera-se que a unidade, construída pela empresa de defesa Rheinmetall em suas instalações atuais em Unterluess, no norte da Alemanha, produza cerca de 200 mil projéteis de artilharia por ano, juntamente a explosivos e, possivelmente, outros componentes, incluindo ogivas. A Rheinmetall está arcando com o custo de cerca de 300 milhões de euros (aproximadamente R$ 1,6 bilhão).

A Rheinmetall informou que a produção no local atenderá, principalmente, às necessidades das forças armadas alemãs, a Bundeswehr. A empresa disse que a prioridade é iniciar a produção o mais rápido possível. A construção da nova unidade deve demorar cerca de um ano.

O chanceler alemão, Olaf Scholz, que participou na cerimônia, disse que a Rheinmetall estava “estabelecendo as bases para fornecer à Bundeswehr e a nossos parceiros na Europa munições de artilharia de forma independente e, acima de tudo, duradoura”. Ele esteve presente no evento acompanhado do ministro da Defesa e da primeira-ministra dinamarquesa, Mette Frederiksen.

Ele disse que o movimento era particularmente importante à luz das necessidades de munição da Ucrânia, informou a agência de notícias alemã DPA.

A indústria de armamento da Rússia supera em muito a da Ucrânia e Kiev tem contado com a ajuda ocidental para igualar o poder de fogo com o de Moscou. Mas os planos dos 27 países da União Europeia para produzir 1 milhão de munições de artilharia para a Ucrânia foram insuficientes, já que apenas um terço da meta foi atingida.

A guerra na Ucrânia aumentou a angústia na Alemanha sobre suas próprias forças armadas levando Scholz, dias após a invasão russa, a anunciar o que chamou de “ponto de viragem” nas despesas militares.

A Alemanha planeja gastar 2% do seu Produto Interno Bruto este ano na área, um objetivo que os aliados da Otan estabeleceram há uma década.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://efatonoticia.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Seja nosso anunciante? fale conosco pelo Whatsapp